Dicas de estudo

DICA 1 - Quanto antes melhor

Dez bons motivos para começar a estudar logo


1. A probabilidade de acumular as matérias a serem estudadas será menor.
2. Você terá mais tempo para se divertir e relaxar, principalmente no final do ano, quando a tensão é maior.
3. Você terá tempo de fazer uma revisão quando as provas se aproximarem.
4. Você poderá adquirir e aprimorar habilidades e competências, como raciocínio lógico e capacidade de interpretar textos, o que facilita a aquisição de novos conhecimentos em todas as matérias.
5. Será possível fazer mais testes, simulados, acostumando-se com os tipos de questão que costumam ser cobrados nas provas.
6. Você poderá perceber antes o seu jeito de estudar, se sozinho ou em grupo e a carga horária diária, o que aumentará o seu rendimento.
7. A pressão da cobrança de seus pais deve ser menor se eles perceberem que você está estudando desde o começo do ano.
8. Se começar a estudar desde o ensino médio, o cursinho pode servir apenas para revisar conteúdos, e não para aprendê-los pela primeira vez.
9. Você poderá identificar antes os seus pontos fracos e tentar melhorá-los.
10. Sentir que está com as matérias em dia pode aumentar sua autoconfiança.

DICA 2 - Você é o que você come

Alimentação na medida certa pode valer uma vaga


Você sabia que uma boa alimentação pode ajudar você a raciocinar melhor?
Então é bom você mudar seu estilo "fast food". Mens sana in corpore sano, já diziam os latinos.
Uma alimentação saudável é composta de proteínas, carboidratos, gorduras, fibras, cálcio e outros minerais. Deve também ser rica em vitaminas, as quais encontramos facilmente nas frutas e legumes. O importante é ter uma dieta variada, que tenha todos os tipos de alimentos, sem abusos e também sem exclusões.

É fundamental variar os tipos de cereais, carnes, verduras, legumes e frutas. Uma forma prática de fazer isso é alternar as cores dos alimentos: as vitaminas e minerais é que causam as diversas colorações.

Observando a piramide acima, poderemos notar o papel das classes de alimentos. Ao contrário do que se podia imaginar, os alimentos mais importantes estão na base. Cereais, massas e pães podem ser consumidos diariamente, assim como frutas e verduras. Os alimentos do topo (óleos, gorduras e açúcares) podem ser consumidos bem moderadamente. Produtos lácteos e carnes também devem ser consumidos em quantidades controladas.

Portanto, o melhor seria evitar as gorduras, as frituras, os doces, as bolachinhas recheadas, os salgadinhos artificiais, as bebidas alcóolicas, os refrigerantes. Pense em substiuí-los por frutas, como banana, laranja, mexirica, mamão, manga, abacaxi, pêra, morango, entre outras. Em relação às carnes vermelhas, substitua-as pelas carnes brancas, como peixe ou frango.
Alimente-se com inteligência, mantenha o corpo saudável e espere por um bom desempenho nos vestibulares!

DICA 3 - Enfrente as matérias que você teme

Você quer um método para estudar?


Divida o seu "tempo livre" em horas.
Identifique quais matérias você tem mais dificuldades.
Equacione esses dois elementos.
Por exemplo. Você tem duas horas diárias. As matérias que você precisa estudar, em ordem de maior dificuldade, são: Física, Matemática, Química, Geografia, História e Biologia.
Na segunda você estuda uma hora de Física e uma hora de Matemática. Na terça, Química e Geografia. Na quarta, História e Biologia. Na quinta, você retoma Física e Matemática. Na sexta, Química e Geografia. No sábado, você estuda as outras duas que não estão na lista: Português e Inglês.

Isto é só uma sugestão de divisão do tempo. Se você tiver mais algumas horas por dia, o ideal seria utilizar esse período para:


DICA 4 - Ler é o melhor remédio

Que jornais ou revistas devo ler?


Se você não tem o hábito de ler, aconselhamos qualquer um. Até que você adquira um gosto pela leitura.
Com o tempo, você vai perceber que existem revistas e jornais que exercitam, mas não explicitam, uma certa linha editorial. Alguns buscam a notícia através de jornalismo idôneo e imparcial. Apresentam um jornalismo investigativo.
Outros são tendenciosos: batem sempre na mesma tecla. E dão a impressão de que trabalham a favor de determinados grupos políticos.
Alguns periódicos são volumosos em função mais da quantidade de patrocinadores do que da qualidade da informação. Experimente contar a quantidade de páginas dedicadas à informação e à publicidade. Compare. Tire suas conclusões. Existem grandes grupos econômicos que querem manipular informações e se utilizam desses periódicos a fim de manter a hegemonia no país. Bancos, Montadoras, Produtos transgênicos, Telefonia móvel e Alta tecnologia (Processadores, Softwares e Serviços): representam mais do que sonha nossa vã filosofia. Invetigue. Preocupe-se. Salve o Brasil.

Publicações recomendadas:


DICA 5 - Segredos de uma boa redação

A Redação nos Vestibulares

As universidades públicas e particulares, na maioria dos casos, exigem dos vestibulandos habilidade na construção do texto dissertativo.

O que é e como se faz uma dissertação?


Dissertar é expor, comparar, associar, corroborar ou refutar ideias a partir de temas que são propostos através de frases, fragmentos de textos literários, quadros comparativos, dados estatísticos, notícias de jornal, charges, tirinhas de HQ, fotos.


A Estrutura

I. Introdução: deve-se apresentar uma sentença-tese, isto é, defender um ponto de vista relativo ao tema abordado.

II. Desenvolvimento: ocorre a exposição dos argumentos que vão fundamentar as ideias expostas na introdução; devem aparecer, então, os exemplos que ajudam a convencer seu leitor.

III. Conclusão: geralmente é a resposta que se dá aos problemas levantados. Às vezes, pode-se apontar responsabilidades ou resumir as principais ideias apresentadas.

A Dissertação Passo a Passo

1. Leia atentamente o texto (ou textos) proposto (s). Investigue as entrelinhas.

2. Relacione-o (s) com as informações que você possui. Pense nos problemas mundiais (e brasileiros...).

3. Enumere todas as possíveis ideias relacionadas ao assunto. Você não usará todas!

4. Agrupe-as, relacionando as que convergem para o mesmo enfoque.

5. Estabeleça um rumo para o seu texto, empregando uma frase do tipo "mostrar que...".

6. Selecione, então, as frase que você vai usar em sua redação.

7. Redija a introdução, formulando uma tese, uma posição em relação ao assunto proposto.

8. Redija o desenvolvimento, provando, com argumentos convincentes sua tese.

9. Redija a conclusão, apresentando soluções (ou perspectivas de solução), ou apontando responsabilidades, ou fazendo um resumo dos principais tópicos discutidos.

10. Dê um título criativo a seu texto. Ele não deve ser muito longo. Não empregue verbos, provérbios, sinais de pontuação ou aspas. Não sublinhe seu título.

Orientações gerais quanto à estética

1. Faça letra legível sempre: se de forma, diferencie maiúsculas de minúsculas.

2. Não borre, não rabisque, não rasure. Use o código correto para erros: (--------); não use líquido corretivo.

3. Centralize o título.

4. Faça parágrafo a 3 cm (ou dois dedos) da margem esquerda.

5. Observe o uso do hífen ( -), não coloque o hífen abaixo da sílaba ou linha; deve-se repetir o traço à esquerda se a palavra for separada num outro hífen já existente.

6. Use apenas caneta de tinta preta ou azul.

7. Faça sempre o rascunho de sua redação: evite a "fórmula mágica" de se fazer direto na folha pautada.

8. Não utilize asteriscos (*), flechas ou qualquer outro sinal para indicar que aquele parágrafo à parte se encaixa aqui ou ali".

9. Não dobre, não amasse, não rasgue "sem querer" tentando apagar alguma frase a folha de redação.

Outras Dicas de Redação

1. Substitua as palavras repetidas por pronomes, sinônimos ou, se possível, elimine-as.

2. Conte as orações: períodos muito longos tornam-se confusos. Redija duas ou três orações por período.

3. Elimine todas as marcas de 1ª pessoa do singular, tais como verbos ("concordo", "penso", "concluo", etc.) e pronomes (eu, me, mim, meu, minha, etc.)

4. Elimine o pronome de tratamento "você", nunca converse com o leitor.

5. Elimine as palavras e expressões empobrecedoras do seu texto, tais como: "coisa", "alguém", "ninguém", "tudo", "todos", "o pior de tudo", "o melhor", "a maioria das pessoas", etc.

6. Elimine chavões metalinguísiticos do tipo: "esse tema é muito importante", "esse assunto tem sido muito discutido hoje em dia", já que nada acrescentam.

7. Troque o verbo "ter" por dever, possuir, haver, existir, etc.

8. Troque a conjunção "mas" por contudo, todavia, entretanto, etc.

9. Troque a conjunção "pois" por uma vez que, já que, visto que, etc.

10. Transforme as orações coordenadas adversativas (mas, contudo, todavia, etc.) em adverbiais concessivas ("embora", "mesmo que", "apesar de que", etc.) Prefira as adverbiais sempre. Exercite.

11. Releia seu texto e estabeleça, efetivamente, relação entre sua conclusão e a introdução.

12. Não sofistique demais seu vocabulário, não se preocupe em impressionar, em mostrar erudição: você pode "escorregar na maionese". Redija sempre com uma linguagem clara e objetiva.

13. Capriche a letra! Legibilidade é fundamental.

14. Acredite "no seu taco". Fé nunca é demais. E lembre-se de que o melhor curso de redação começa e termina com a leitura diária de jornais, livros e revistas.

Onde encontrar boas ideias:

O site do Le Monde Diplomatique tem a mais completa coleção de temas discutidos com rigor formal e espírito crítico raros na Internet. Confira: Diplomatique Le Monde/temas